fonte: http://viajeaqui.abril.com.br/vt/blogs/viagemnotempo/2016/10/27/7-lugares-fora-do-obvio-em-roma-para-entender-o-imperio-romano/

gif romano

Roma é uma das cidades mais turísticas do mundo, com 7 a 10 milhões de visitantes todos os anos. Boa parte dos turistas que compõem este número visitam a metrópole pela primeira vez e, como é característico de novatos, preferem visitar as mais famosas atrações do lugar.

O Coliseu, o Panteão e o Foro Romano são as três construções originárias do Império Romano mais conhecidas e frequentadas na cidade. Para viajantes que já visitaram a metrópole ou para os entusiastas pelo assunto, porém, vale a pena separar um momento para conhecer mais a fundo as relíquias provenientes dos séculos de dominação romana que a Cidade Eterna tem a oferecer.

Para este passeio especial, separamos algumas atrações fora do óbvio para um roteiro de volta ao tempo dos grandes imperadores romanos:

1. Termas de Caracala

Até destroçada as Termas de Caracala são deslumbrantes (foto: Marzia Giacobbe/iStock)

Até destroçada as Termas de Caracala são deslumbrantes (foto: Marzia Giacobbe/iStock)

Enquanto o Império Romano do Ocidente encontrava-se em seus suspiros finais, as Termas de Caracala viviam seus tempos gloriosos. Construídas no século 3, o recinto chegou a ser considerado um dos lugares mais belos de Roma Antiga, graças a suas pinturas e mosaicos. Além disso, conseguia receber mais de 1.300 pessoas e abrigar mais de 80 mil litros de água em suas cisternas. Hoje, o local ainda é bonito, mas de uma forma diferente: guarda um conjunto de resquícios e ruínas históricas que mostram como os romanos consideravam o banho uma atividade de higiene e purificação do corpo e da alma.
Viale delle Terme di Caracalla

+ 5 lugares para se deliciar na eterna Roma

2. Termas de Diocleciano

As Termas de Diocleciano realmente impressionam pelo tamanho (foto: mauriziobiso/iStock)

As Termas de Diocleciano realmente impressionam pelo tamanho (foto: mauriziobiso/iStock)

Apesar da beleza, as Termas de Carcala não eram páreo para as de Diocleciano, que eram as maiores de toda a Roma Antiga – o lugar podia abrigar quase o dobro de pessoas, cerca de 3.000. Arquitetada em 306 pelo imperador de mesmo nome, a terma só parou de funcionar com as invasão dos godos (um grupo bárbaros, germânicos) em 537. Atualmente, faz parte do Museu Nacional Romano.
Viale Enrico de Nicola, 79

+ Oito lugares deliciosos (e desconhecidos) em Roma que você não pode deixar de visitar

3. Teatro de Pompeu

O Teatro de Pompeu também fica próximo a Praça di Torre Argentina (foto: IR_Stone/iStock)

O Teatro de Pompeu também fica próximo a Praça di Torre Argentina (foto: IR_Stone/iStock)

Outrora o maior teatro do mundo, atualmente o Teatro de Pompeu é apenas um conjunto de ruínas. Construído a pedido do imperador que o nomeou, em 55 a.C., este palco também foi o primeiro da cidade a oferecer espetáculos fixos, não itinerantes. Além de testemunhar dramas ficcionais, a frente do teatro também presenciou o assassinato do grande imperador Júlio César, a facadas, em 44 a.C na Cúria de Pompeu.
Largo Torre Argentina

+ Europa Barata – como gastar pouco em Roma

4. Coluna de Trajano

Cada um dos blocos da Coluna de Trajano pesam toneladas! (foto: powerofforever/iStock)

Cada um dos blocos da Coluna de Trajano pesam toneladas! (foto: powerofforever/iStock)

Esta atração romana pode não ser um obelisco, mas têm uma história interessante. O imperador Ulpio Trajano, para comemorar a vitória contra os Dácios (povo que costumava ocupar a região que hoje é a Romênia), mandou construir esta coluna no ano de 113. São 38 metros de altura distribuídos por uma base de oito metros e mais vinte blocos de mármore. Espiralando por sua superfície, desenhos encrustados na pedra contam a sequência de acontecimentos deste episódio histórico. No seu topo, hoje, encontra-se uma estátua de São Pedro, na época de construção, porém, o cristianismo ainda dava seus primeiros passos e o topo do monumento costumava exibir a imagem de Trajano.
Via dei Fori Imperiali

+ Guia básico para aproveitar Roma ao máximo

5 e 6. Arcos de Constantino e de Tito

O Arco de Constantino é um forte concorrente do Arco do Triunfo, em Paris (foto: gianliguori/iStock)

O Arco de Constantino é um forte concorrente do Arco do Triunfo, em Paris (foto: gianliguori/iStock)

Ambos os arcos triunfais se localizam ao lado de duas grandes atrações romanas. A oeste do Coliseu, o de Constantino foi projetado em 315 para comemorar a vitória na Batalha de Ponte Mílvia pelo imperador Constantino, tornando-o único governante do Império Romano. As cenas da luta e conquista estão gravadas sobre a superfície do monumento.

Já o de Tito, erguido no ano 81 perto do Fórum Romano, marca um ainda maior episódio da história romana. Símbolo da perseguição aos judeus, o monumento exalta a invasão da Judeia pelo imperador Tito Flávio e a destruição do Templo de Jerusalém – que estava sendo erguido na época.
Arco de Constantino: Via di San Gregorio
Arco de Tito: Via Sacra

Infelizmente, o Arco de Tito tem esculturas antissemitas (foto: Holger Mette/iStock)

Infelizmente, o Arco de Tito tem esculturas antissemitas (foto: Holger Mette/iStock)

+ Ao Coliseu e além: saiba onde estão os bairros mais descolados de Roma

7. Largo di Torre Argentina

Esta área mais parecida com uma praça oferece ruínas de quatro construções romanas (ao lado, está o Teatro de Pompeu). O primeiro é o Templo de Juturna, erguido no século 3 a.C, já o segundo, o Templo da Fortuna do Dia, é datado do século 1 a.C, e dedicado a deusa de mesmo nome. Fazendo vizinhança, o Templo de Ferônia é o mais antigo do complexo. Foi elevado 500 anos a.C. e feito em homenagem a divindade da fertilidade. Por fim, o Templo dos Lares Permarinos é o maior do conjunto e data de 2 a.C.

Os resquícios do Templo de Juturna (foto: powerofforever/iStock)

Os resquícios do Templo de Juturna (foto: powerofforever/iStock)